DestaqueEsporte

Líder isolado, CSA faz partida ruim e só fica no 0 a 0 com o CSE, pelo Alagoano

Azulão encontra um CSE fechado na defesa e não consegue balançar as redes; Tricolorido passa do CRB e fica no G4

CSA e CSE fizeram, na noite desta quarta (9), o Clássico das Letrinhas, no Estádio Rei Pelé, em Maceió. O jogo estava cheio de expectativas, tanto para os clubes, tanto para quem assistia. E o que se viu foi uma partida fraca, que acabou empatada em 0 a 0, após muita dificuldade técnica de ambos os clubes. O confronto fechou a sexta e penúltima rodada do Alagoano.

Mesmo com o resultado, o time marujo segue na liderança do Estadual, ainda isolado, por conta do empate do Murici, mais cedo. O Azulão tem 14 pontos e só precisa de um empate na rodada final para garantir o 1º lugar. Para o CSE foi melhor ainda, que chegou aos oito pontos e ultrapassou o CRB. Com isso, os palmeirenses estão em quarto.

Após o duelo, as duas equipes se preparam para a rodada final do Campeonato Alagoano, que será no mesmo dia o horário. No próximo sábado (12), as equipes fecham a fase de classificação às 17h. O CSE joga em casa, e terá um confronto direto com o CRB, no Juca Sampaio. Por outro lado, o Azulão visita o Murici, no José Gomes da Costa, adversário direto dentro do G4. O CSA também já sabe o dia que entra em campo na Copa do Brasil. No próximo dia 16, o clube recebe o Paysandu, às 21h30, pela 2ª fase do torneio.

1º Tempo

Mandante e líder do Estadual, o CSA começou bem mais à vontade em campo. Os primeiros minutos foram cautelosos, com o Azulão trocando passes enquanto o CSE focava na marcação. As poucas vezes que o Tricolorido foi mais ouriçado, aconteceu quando o goleiro Marcelo Carné foi acionado com os pés. Aos oito minutos, enfim a primeira chance, e com grande perigo. Osvaldo fez jogada bonita na esquerda e tocou para Marco Túlio finalizar livre. Porém, o atacante chutou desajeitado e o goleiro Gustavo salvou a queima roupa.

Apesar do gol perdido, o time marujo seguiu apertando, por todas as frentes. Gabriel tentou pela direita, aos 11, sem sucesso. Na sequência, o CSE armou o contra-ataque, que também não funcionou. Com 16 minutos, Rodrigo Rodrigues achou sua chance, de frente para o gol, mas o zagueiro Penna chegou na hora certa e travou a finalização. Os visitantes tentaram criar na bola parada, com 19 minutos, mas deu tudo errado.

Aos 23 minutos, Gustavo apareceu novamente para salvar o Tricolor Palmeirense. Felipe Augusto encontrou um espaço na grande área, cabeceo com muita qualidade, mas o arqueiro salvou novamente. No rebote, logo em seguida, Gabriel arriscou uma bomba e quem salvou foi Penna, com o peitoral. Com o cadeado fechado na defesa do CSE, Igor tentou uma bomba de longe, aos 29, mas não na direção do gol.

Depois desse lance, o confronto começou a ficar ainda mais morno, com o CSE extremamente satisfeito com o empate. O CSA acumulou mais de 70% de posse de bola e quase não viu o adversário chegar no campo de ataque. O Tricolor até subiu, aos 40 minutos, após cobrança de falta, mas ninguém finalizou no gol de Carné. Aos 43′, Tiago Recife tentou de longe e foi travado.

Com um primeiro tempo de baixíssima movimentação e criatividade, a arbitragem só indicou um minuto de acréscimo. Em boa parte dos minutos finais, Tiago Recife ficou caído, necessitando de atendimento médico, ou seja, pouco a bola rolou. Final do 1º tempo: 0x0.

2º Tempo

O início do segundo tempo foi diferente, com o CSE criando a primeira boa oportunidade. Jeanderson foi bem lançado na esquerda, logo com um minuto de embate. Ele achou Tiago Recife livre, na entrada da área, porém, o centroavante acertou o cabeceio em Bruno Rafael, que estava na frente do gol. A resposta foi ainda mais efetiva, quando aos 2′, Osvaldo mandou uma bomba, no canto, mas a curva tirou ela do gol.

Sabendo da importância da vitória, o Tricolorido começou a encontrar algumas oportunidades de abrir o placar. Com seis minutos, Amaral mandou uma bomba de longe, mas sem direção. O duelo tornou-se um pouco mais movimentado, com as duas equipes saindo mais para o ataque. Por vezes o CSA chegou perto da área, mas não finalizou após a chegada da marcação.

Evidentemente incomodado com a postura defensiva do CSE, o lateral Igor novamente tentou de longe, aos 12 minutos, porém, para fora. Os minutos seguintes foram pegados, de muita marcação e faltas cometidas, para os dois clubes, que já não conseguiam produzir bem tecnicamente. A disciplina tática do time palmeirense foi invejável, que dificilmente deixou um espaço aparecer nos primeiros 20 minutos da etapa final.

Com 25, Osvaldo fez boa jogada e tocou dentro da área para Rodrigo Rodrigues, contudo, o zagueiro Salazar interceptou perfeitamente. Osvaldo foi personagem em nova boa chance, dessa vez aos 29. Didira achou o espaço curto e encontrou o camisa 11 livre na área. Porém, ele resolveu finalizar de primeira, à esquerda de Gustavo. Sem conseguir nada diferente, Mozart acionou Bruno Mota, artilheiro do Alagoano 2021.

Em um primeiro momento, pouco a mudança deu resultado. Aos 39 minutos, o CSA voltou a subir, mas, alçando bolas aéreas, onde o time palmeirense não teve dificuldade para cortar. Com 42, Didira ganhou a bola livre na área, mas não conseguiu dominar. A arbitragem aumentou cinco minutos ao tempo regulamentar, que foi de pura pressão azulina.

Lucas Barcelos caiu na área, aos 46, porém, a arbitragem mandou seguir. Gustavo, pelo alto, fez um trabalho exemplar para segurar os cruzamentos. Satisfeito com o 0 a 0, o Tricolorido fechou de vez, com praticamente todos os 11 jogadores dentro da área. Mesmo com tanta persistência, não deu, final zerado.

Fonte: Gazeta Web

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo